"o resto é mar. é tudo o que eu não sei contar..."

23 janeiro 2010

Avatar



confesso que precisei assistir o filme pela segunda vez para gostar. é claro que a sala 3d ajudou um bocado, mas mesmo sem os oclinhos mágicos, eu teria aprendido a gostar. Tudo por causa das árvores sagradas que protegem os Na'Vi.
num dos meus posts recentes, eu citei essa metáfora e agora volto a retomá-la com Avatar. mas dessa vez, não é apenas a árvore que faz a diferença na vida de seres que ainda estão distantes de uma civilização mecanizada, tecnicista e tecnologicamente bitolada. a natureza, como um todo, é responsável por manter o equilíbrio entre todos os seres que a compõe, entre eles, os tais humanóides.
mas as árvores têm aspecto central e fundamental. Onde as tribos se reúnem? Onde eles dorme? Onde o casalzinho passa a primeira noite juntos? Qual o motivo do grande conflito? Pois é... uma árvore! e esse elemento é à toa? só se o diretor e o roteirista do filme fossem tolos, ou burros mesmo. A árvore é símbolo maior por remeter ao progresso e ao crescimento não apenas físico. quem um dia já plantou uma árvore sabe que o cultivar é o mais dificil. plantar é fácil demais (é que nem fazer filho): abre-se um buraco na terra e deposita-se a semente. cultivar, ah! isso é bem mais dificil. só cultiva quem ama, quem está disposto a se livrar, pelo menos algumas vezes, da própria individualidade, do egoísmo que impede de enxergar o futuro de uma outra vida que não a própria.
cultivar é aprender a ver o outro("Eu vejo você"), planejar o bem do outro, agir (de modo certo ou errado, atrapalhadamente, eu diria) com vistas à melhoria das pessoas que te dão amor, atenção, colo... e quando todo esse bem praticado a favor de quem quer que seja (quaisquer que sejam as pessoas) retorna, é a natureza respondendo, retribuindo o amor dispensado no cultivo.
Por que é bom quando a natureza nos ouve.

Um comentário:

Ana disse...

She ... coloca a letra branca? S'il vous plâites! É que minha visão tá uma m...*&¨%$#%¨&*!

Bjs, flor!