"o resto é mar. é tudo o que eu não sei contar..."

23 fevereiro 2010

acabo de apagar
minuto por minuto
nossa história
fixada em imagens
poemas
sons.

do que sobrou,
dos escombros,
restos,
ruínas,
refaço meu dia
após dia.

e vivo.
aos poucos
abrindo os olhos,
esticando as pernas num passo,
abrindo os braços num esboço de voo.

corro ao precipício.
me lanço mais uma vez no espaço
- por vezes vazio - pleno de ar.
onde encontro outros mitos,
e aqueles esquecidos.

e percebo que ainda posso ver,
embora em meio à névoa,
o arco-iris inexistente,
forjado pelo meu olhar viciado,
como os dados de um jogo.